Mar 10 2011

Utilizando o conversor USB TTL com Arduino

Este post serve para mostrar aos navegantes como utilizar o conversor USB TTL junto com o seu Arduino standalone. O conversor serve para mudar o tipo de sinal que o PC envia e o que o microcontrolador deve receber para operar, não há muita dificuldade na conexão, apenas deve-se tomar cuidado para conectar corretamente os pinos.

Os pinos do conversor são mostrados a seguir:

São 6 pinos para conexão, mas para programar o Atmega em modo Standalone você precisa utilizar apenas 4, sendo eles:

+5V – Este pino você liga nos terminais do seu Atmega que são alimentados pelo “positivo”.
GND – Este pino você conecta aos terminais do seu Atmega que são alimentados pelo “negativo”.
RXD – Este pino deve ser conectado ao pino TX do Atmega (pino 3 – veja imagem a baixo);
TXD – Este pino você conecta ao pino RX do Atmega (pino 2 – veja imagem a baixo);

Após fazer a conexão dos pinos você deve instalar o drive, baixe deste link, e instale-o em seu computador, depois disso pode conectar o conversor USB TTL em uma porta USB (eu faço isso através de um cabo USB para ter mais liberdade para poder mover a protoboard com tudo junto pela mesa – fica a dica!).
Depois que tudo estiver instalado você precisa enviar o código para seu Atmega, para isso abra o ambiente de programação do arduino e selecione o exemplo “blink” para testar.
Pressione o botão reset da sua placa standalone e segure, depois clique no botão “enviar” da interface de programação do arduino e aguarde até que apareça na parte inferior uma tela como a mostrada a baixo:

Assim que aparecer na parte preta o texto em branco que diz o tamanho do arquivo significa que seu código ja foi compilado e o programa começará o upload propriamente dito, nesse momento você deve soltar o botão  reset e aguardar a mensagem de upload concluído. Pronto! seu Atmega rodando em modo standalone pode ser agora programado através da porta USB como se você estivesse utilizando uma placa arduino diretamente na USB.

Kit Standalone;

Conversor USB TTL;

Se você gostou desse POST, poderá gostar também do blog: http://blogdonatanael.blogspot.com/

Feb 16 2011

Arduino Standalone

Algumas pessoas se perguntam se há alguma forma mais barata de rodar o arduino, pois cerca de R$ 100 por placa é muito. Outras desenvolvem o protótipo no Arduino mas não querem empregar toda a placa no projeto final. A resposta é: Standalone. A montagem do Atmega328 do arduino em modo standalone utiliza poucos componentes e você pode montar tudo na forma e tamanho que quiser. Abaixo apresento a lista de componentes e algumas fotos de exemplos de montagem standalone.

Você pode comprar o Kit Arduino Standalone na WebTronico que já vem com os seguintes componentes:

Componentes adicionais:
– 1 soquete de 28 pinos;
Protoboard;
fios para protoboard (wire jumpers).
Os componentes:
Na imagem a seguir temos os componentes principais para a montagem.

Para a montagem Standalone você deve fazer as seguintes ligações entre os componentes:

pinagem Atmega328 Arduino

pinagem Atmega328 Arduino

Seguindo os pinos do Atmega:
– Terminais 20 e 21 são ligados no positivo (fios vermelho na imagem a baixo);
– Terminal 22 ligado no negativo (fios preto na imagem a baixo);
– Terminais 9 e 10 são interligados com o cristal de 16Mhz;
– Terminais 9 e 10 são ligados após o cristal com o negativo, através dos capacitores cerâmicos;
– Terminal 8 ligado no negativo;
– Terminal 7 ligado no positivo;
– O 1º terminal é ligado ao positivo atravéz do resistor, e depois da saída do resistor é ligado a saída do botão de pressão. O outro terminal do botão de pressão é ligado ao negativo, quando pressionado ele faz a conexão do terminal 1 com o negativo, resetando o microcontrolador;

Na imagem a baixo temos a ligação dos componentes em uma protoboard:

Se você seguir estes passos consegue montar com facilidade seu Atmega rodando em moto Standalone, a seguir algumas imagens de como você pode montar ele:

A versão a seguir foi montada seguindo o mesmo formato e tamanho de uma placa Arduino Duemilanove, assim ela pode receber shields caso necessário.

E a seguir temos outra versão, esta é para ser usada em protoboard para testes

Nesta versão há os pinos fêmea onde pode-se conectar um conversor USB TTL para utilizar uma porta USB do computador, mas isso fica para ser explicado no próximo post.

Se você gostou desse POST, poderá gostar também do meu blog: http://blogdonatanael.blogspot.com/